Translate

domingo, 11 de janeiro de 2015


Meu melhor amigo não sabe falar.
Mas está sempre comigo.
Me acompanha a todo e qualquer lugar.
Esta sempre alegre, parece  estar sempre sorrindo.
E isso só me faz alegrar.
Ele nunca reclamou de nada,
Mesmo que na churrascada... ele fique em último lugar.

   Chico Gouveia

terça-feira, 6 de janeiro de 2015


Comigo. Você ficou mais gelada como um pinguim.
Não fala mais comigo, nem olha para mim.
Tornou a minha vida um Polo Norte,
Porque você ficou gelada assim?

Que faço para quebrar esse gelo?
Já fiz careta, misuras e contei piadas.
Fingi que cai, para ver você dar gargalhadas.
E Nada!

A minha netinha ficou com raiva de mim, 
já lhe prometi de tudo de brinquedos a bonecas,
até ofereci o meu pudim.
Ela continua de cara feia...
OH! menina ruim!

                                          Chico Gouveia

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015


Canta com os encantos da tua voz,
Cante uma cantiga antiga só para nós.
Fale sobre os momentos perdidos e do tempo que não voltam mais.

Cante sobre os beijos que não demos, cante os abraços desejados,
Cante sobre os nossos desejos.
Se não quiser cantar, me abrace e dê-me alguns beijos.
Esqueçamos os momentos perdidos.
Que os nossos lábios emudeçam as nossas vozes.
Que os nossos corações que cantem!

                                Chico Gouveia

domingo, 4 de janeiro de 2015


ELA

Ela somente ela que me faz tão bem,
De roupa amarela, elegância que ninguém tem.
Seus olhos me convidam para alegria... todo dia.

Que felicidade são as minha horas sentado na calçada,
Esperando essa beleza passar.
Ela não anda, desfila, meu coração balança com o balaço do seu corpo.
Morto. Morto eu me sinto morto de paixão.
Se ela pedisse eu dava o meu coração.

Ela passa desfilando como a passarela fosse as estrelas,
Todo dia a mesma hora, senhora dos meus desejos.
Nunca, nenhum beijo dela terei,
Sou apenas uma estátua na praça, sentado em um pedestal,
Mas gostaria de ser a estátua de um rei.
Ela olharia para mim; Eu sei.

                                       Chico Gouveia

sábado, 3 de janeiro de 2015


O nosso amor começou na mais tenra idade,
Em um passeio nos bondes da cidade.
Os meus olhos de menino inocente sem saber
o que acontecia me ligou a você.

Nunca te esqueci depois daquele dia,
Era só pensar em você, ai meu Deus, eu me enchia de alegria.
Tinha a tua imagem guardada na lembrança.
Resolvi te procurar, deixei de ser criança.

Que emoção foi te rever depois de tantos anos,
E você dizer que também nunca conseguiu me esquecer.
Um amor verdadeiro nunca pode morrer.
E Eu sempre vivi para você.

Nos casamos, formamos família e netos,
Sempre fomos felizes em todos os momentos.
Quando perguntam qual é o segredo da nossa convivência dizemos:
"O verdadeiro amor nunca  morre,
Aconteça o que acontecer".

                                                                   Chico Gouveia

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015


O meu amor tem um jeito manso que só seu,
E me deixa louco, quando me beija a boca, 
Minha pele toda fica arrepiada.
Me beija com calma em fundo até a minha alma se sentir beijada.

O meu amor tem um jeito manso que é só seu,
que rouba meus sentidos deflora meus ouvidos
com tantos segredos lindos e indecentes.
Depois brinca comigo, ri do meu umbigo
e me crava os dentes.

Eu sou o seu rapaz ela é a minha menina,
Meu corpo é testemunha do bem que ela me faz.
Meu amor tem um jeito manso que é só seu.
Me deixa maluco quando me toca de leve a nuca,
Com os bicos do seios quando,ela se aproveita.
E de pousar as coxas entre as minhas coxas,
quando ela se deita.
Deslisa a mão no meu corpo me deixando em brasas.
Desfrutando como meu corpo fosse a sua casa.


Adaptação da obra de Chico Buarque.

                                                   Chico Gouveia

Dança, dança, rodopia encanta.
Faça da nossa cama um palco com a leveza do teu salto.
Salta, salta empina esse teu corpo de menina,
Este é o teu ato principal bailarina.
De sermos felizes imaginando a vida como peça de teatro,
onde tudo acaba bem, em meio a fantasia.

                               Chico Gouveia