Translate

domingo, 4 de agosto de 2013

“UTOPIA DE SAUDADES”

NAS RUAS DO ALÉM, NÃO VEJO NINGUÉM,
SÃO TREVAS E ESCURIDÃO.
MORADAS DE DEMÔNIOS.

UIVOS, GRITOS DE PESADELOS,
TERROR NA DENSA NEBLINA NEGRA.
A LUA É UM VULTO ENVOLTO,
EM LENÇOL DE UM SEMIMORTO.

O SOL NÃO SURGE.
O DIA NÃO NASCE.
A MORTE PASSEIA LEVITANDO NA TERRA.
TERRA ENCHARCADA DE SANGUE.
SANGUE APODRECIDO, EXALANDO FÉTIDO ODOR.

ODOR DA MALDADE DE QUEM MATA
ASSASSINA O AMOR.
SAUDADES, A DOR QUE TEM GOSTO DA MORTE,
PARA QUEM FICOU.


                                        CHICO GOUVEIA

sábado, 3 de agosto de 2013

BEIJO
 

BEIJO!
QUE BEIJO?
VOCÊ JÁ ME DEU!
COLOCOU AONDE?
NOS MEUS LÁBIOS!
NÃO SENTI!

TERÁ QUE DAR OUTRO.
E, EU QUERO VER DESTA VEZ!
QUERO SENTIR.
O QUÊ? TEM QUE SER DE OLHOS FECHADOS!
ESTÁ CERTO!
M AS VOU ME AGARRAR A VOCÊ.

BEIJA-ME BEM DEVAGARZINHO,
UM BEIJO MOLHADINHO E...
DEIXA MEU CORAÇÃO VER

                      CHICO GOUVEIA



PERDÃO

SONHAR...
COM VOCÊ NÃO É MAIS SONHO
É DELÍRIO,
É LOUCURA!
POIS NÃO TE  ENCONTRO,
NESTA INSANA PROCURA.
FOGES DE MIM ATÉ NA IMAGINAÇÃO,
PERDOA-ME, PERDOA-ME...
SE MACHUQUEI O TEU CORAÇÃO.

                                                CHICO GOUVEIA
MIMO PRA ROSE

FIZ UM MIMO PRA ROSE
DANDO-LHE UMA ROSA VERMELHA,
UMA QUE  ESPELHA TODA MINHA PAIXÃO.
 
ELA FICOU ME OLHANDO
COMO ME DISSE-SE NÃO.
EU FIQUEI TRISTE
NÃO AGRADEI SEU CORAÇÃO.

NOVAMENTE FIZ UM MIMO PRA ROSE
UNS VERSOS, UMA POESIA.
ELE FICOU ME OLHANDO SEM DEMONSTRAR ALEGRIA,
MAIS UMA VEZ FIQUEI TRISTE,
NÃO AGRADEI SEU CORAÇÃO.

FUI FAZER UM MIMO PRA ROSE,
E ELA ME DISSE: NÃO!
NÃO PRECISAVA FAZER MAIS NADA,
ELA SÓ QUERIA O MEU CORAÇÃO.


                       CHICO GOUVEIA

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

PALHAÇO


NÃO ME FAÇAS SORRIR.
HOJE ESTOU TRISTE.
SOU UM PALHAÇO QUE PERDEU A  ALEGRIA,
NESTE MEU ÚLTIMO ATO,
MINHA INTERPRETAÇÃO É A SOLIDÃO.

PICADEIRO DO CIRCO,
RODA DA VIDA.
ENTRE TODAS AS MINHAS ALEGRIAS,
VI AS ESPERANÇAS PERDIDAS.
MEUS SONHOS IGUAIS A ALGODÃO DOCE,
DESMANCHOU-SE COM O CALOR DO TEU OLHAR,
RESTOU-ME APENAS VÊ-LA PASSAR.
SEM COMIGO SE IMPORTAR.



                                                CHICO GOUVEIA
                  “Janela do Tempo”



Olhando da janela vejo o tempo passar,
Por mim passam os dias, os anos sem me cumprimentar.
São todos mal educados,
Só quer meu bom humor tirar.

 
Olhando da janela vejo a hora passar.
Passam correndo...
Nenhum aceno consegue dar,
Até  tento um gesto,
Mas já passou sem me notar.

Olhando da janela
Em frente na rua,  presencio uma maldade,
No reflexo do vidro espelhado... vejo
Indo embora a minha mocidade
Acenado e soltando beijos.


                                            Chico Gouveia