Translate

sábado, 23 de janeiro de 2016



O PARAÍSO PERDIDO



"Já que vocês desprezam o que Eu lhes digo, já que preferem confiar na opressão
e na mentira e se apoiar no pecado.
Esse pecado que cometeram será para vocês como uma brecha num muro alto,
que vai se inclinando e cai, de repente!'.

                                                         Isaías 30: 12 e 13.


O desastre humano começou com Adão e Eva no Paraíso. Ouviram o diabo, desobedeceram 
a Deus, foram expulsos, não precisavam trabalhar, mas agora teriam de tirar o sustento 
da terra, a mulher teria dores de parto, perderam a vida eterna e ganharam a morte, a qual
somos todos herdeiros. A raça humana cresceu e com ela a violência, ganância, roubo,
assassinatos etc. Até os anjos do céu, revoltosos vieram e se misturam em relações sexuais,
criando uma nova raça hibrida. Deus só teve uma alternativa. Destruir a raça humana com
o dilúvio e restou apenas oito almas que deu continuidade a humanidade.
Escolheu um povo para ser seu povo e adorá-lo e por meio deles vir o redentor da humanidade
resgatar o máximo possível de seres humanos, para levá-los ao primeiro estado antes do
pecado de Adão e Eva. Jesus Cristo.
O povo sagrado se perdeu nas artimanhas de Satanás, mas o Redentor cumpriu o seu papel,
nos resgatou com seu sangue em sacrifício propiciatório. 
Hoje graças a Jesus Cristo, todo aquele que o aceita como o Seu Senhor e Salvador,
e tem um vida de comunhão e obediência a Ele, está salvo para viver
no Paraíso Celestial, qual será a nova morada do Todo Poderoso.
Os incrédulos receberão a morte eterna na segunda ressurreição.
Hoje ainda existe oportunidade para todos nós, mas o tempo que nos resta.é curto.
O mundo inteiro ainda está sob o poder do diabo e o engano e a mentira varre a terra.
Muitos ainda se perdem diariamente nos prazeres e enganos do mundo. Lastimavelmente.
A esperança é Jesus Cristo. Leia a Bíblia, não caia em enganos.
Vem Senhor Jesus. Amém


Gênesis: capítulos 1:2:3:4   -  Apocalipse 21: 1 ao 5

                                   Francisco Gouveia

Nenhum comentário:

Postar um comentário